OFICINAS

O exercício da prática aproxima o público da experiência do artista. Mas mais do que isso, e para além de querer testar as habilidades manuais dos visitantes, as oficinas da exposição desafiavam o público a repensar seu tempo e convidavam para um momento coletivo de trocas de experiências. 
Barco de memórias:
O barco é um elemento simbólico, presente na vida e obra de Bispo e de Leonilso. O barco relembra os tempos de marinheiro de Bispo do Rosário e, ao mesmo tempo, nos remete às viagens e mergulhos em si do “homem-peixe” Leonilson, com o oceano inteiro para nadar.
A proposta da oficina era tecer ao longo da exposição as incrições da vela de um barco. O objetivo era proporcionar, além de uma relação com alguns materiais e práticas presentes nas obras, o protagonismo da pessoa que acaba por ser parte integrante da instalação, participando ativamente de sua montagem, podendo bordar, escrever, criar e trocar suas impressões.
Na ideia de que o barco partirá sem destino certo e de que os dois artistas produziram obras autobiográficas, o visitante era convidado a deixar registrado no barco algo de sua vida (bom ou ruim) que gostaria que fosse levado pela embarcação Penélope.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
O barco é um elemento simbólico, presente na vida e obra de Bispo e de Leonilso. O barco relembra os tempos de marinheiro de Bispo do Rosário e, ao mesmo tempo, nos remete às viagens e mergulhos em si do “homem-peixe” Leonilson, com o oceano inteiro para nadar.
A proposta da oficina era tecer ao longo da exposição as incrições da vela de um barco. O objetivo era proporcionar, além de uma relação com alguns materiais e práticas presentes nas obras, o protagonismo da pessoa que acaba por ser parte integrante da instalação, participando ativamente de sua montagem, podendo bordar, escrever, criar e trocar suas impressões.
Na ideia de que o barco partirá sem destino certo e de que os dois artistas produziram obras autobiográficas, o visitante era convidado a deixar registrado no barco algo de sua vida (bom ou ruim) que gostaria que fosse levado pela embarcação Penélope.